Crónicas do Tempo

by Os Cabos Soltos

supported by
/
  • Streaming + Download

    Includes high-quality download in MP3, FLAC and more. Paying supporters also get unlimited streaming via the free Bandcamp app.

      name your price

     

1.
2.
04:44
3.
04:54
4.
02:24
5.
6.
7.
03:13
8.
06:10
9.
05:57
10.
02:18
11.
05:43
12.
04:13
13.
14.

credits

released June 1, 2015

tags

license

all rights reserved

about

Os Cabos Soltos Porto, Portugal

"Os Cabos Soltos" são uma banda de rock alternativo com raízes na cidade do Porto. Editaram o seu primeiro álbum de originais em 2015, intitulado "Crónicas do Tempo". A banda é constituída por Nuno Gonçalves na voz, André Leitão e Paulo Soares nas guitarras, Cláudio Torres no baixo, Carlos Azevedo no piano e Filipe Coutinho na bateria. ... more

contact / help

Contact Os Cabos Soltos

Streaming and
Download help

Track Name: Quimera
Essa vila
Que se esconde
Para lá do monte
Não tem prisão

As crianças
Brincam à sorte
E ninguém no monte
Lhes diz que não

E, naquele universo
Altamente disperso
Não houve razão

Esta vila
A que chegas
Sozinho e de mãos secas
Tem o que pretendes

Quem procuras
Não lê às escuras
Não embarca em desventuras
Prefere laranjas amargas

E, guarda-te no medo
De que alguém assim
Não exista por aí

A estrada curva o espaço
Toco na vedação que trespasso
Empurro-me num abraço
Desperto deste cansaço

Nesta vila
Não te escondes
Máscaras nos horizontes
Só servem para enfeitar

Nesta terra
Pouco sofres
As pessoas nos arredores
Vivem para ficar

E, combate o talvez
Com tamanha surdez
Não vá ela alvorar

A estrada curva o espaço
Toco na vedação que trespasso
Empurro-me num abraço
Desperto deste cansaço

Vejo um laço solto
O que fizemos um ao outro?
Agarro uma ponta com cuidado
A outra flutua para longe
Track Name: Ponto Morto
Surge o adenso
Deste epicentro
É o tempo

Todos esses teus passos
São bem pesados
São o regime

A arma tem um peso
Que te deixa indefeso
Não és coeso

Porque estás em ponto morto
Em ponto morto
Em ponto morto!

Levantas o dedo
E enches a vila de medo
É o desenredo

Esse vazio olhar
Diz ao teu pensar
Que és uma cópia

Acordo sem sonhar
Se vou regressar
Se vão cessar
Track Name: Cidade, o que restou
O mundo queimou
Só o mar escapou
E agora ficou
Um vazio no ar

Sou perseguido
Pela minha cor, que castigo
Amor, não me mereço
Este rancor

Olha como ficou esta cidade
Reclama o poder sobre a vontade
Prédios ruíram com a verdade
Pergunta-se pelo grito de liberdade
Mas está preso!
Está preso!
Está preso…

A visão toldou
O ódio que me agarrou
E agora não consigo
Respirar

Perdi um posto fixo
Para eles sou lixo
A fuga é a única
Solução

Olha o que restou desta cidade
Parece ser o fim da comunidade
Prédios ruíram com a verdade
Pergunta-se pelo grito de liberdade
Mas está preso!
Track Name: Crónicas do Tempo
Frágil tempo do meu passado
Agarro-te e puxo com cuidado
Fotografias, memórias de outros dias
Tudo ficou para trás

Vamos deixar este espaço
Outrora fiel de compasso
Não chores, sabes que podes
Começar tudo outra vez

Segura o tempo, é só um momento
Bem junto ao peito
Olha-o com respeito
Por entre a memória, tão ilusória
Abraça o futuro desta fuga inglória

Se me perder, espero que vás
Corre com tudo, não olhes para trás
Vê se te escondes, por esses horizontes
Não penses em voltar

Se um dia tudo acabar
E decidires vir-me procurar
Poderá o tormento
Ser o juramento
Destas crónicas do tempo
Track Name: Carta a deus
Frias celas que me guardam do mundo
Nada fiz neste segundo
Conto as marcas na parede
Sou mais um peixe nesta rede

E… se te fugiu a razão
Dessa cabeça livre
Então, se citar o teu nome em vão
Destróis esta prisão?

Se só vieres amanhã
Já morri às mãos do titã
O que ele quer é submissão
Mas não, não, não, não, não

Seguro, duro, é este poço fundo
Por vezes é maior do que o mundo
O medo é algo que me provoca
Rasga, atormenta esta alma inócua

E se, uma alma imortal
Disser que não és real?
Porque, se citar o teu nome em vão
Não destróis esta prisão?

Se só vieres amanhã
Já morri às mãos do titã
O que ele quer é submissão
Mas não, não, não, não, não

Escapo deste predador
Ainda me resta algum vigor
Apesar deste temor
Sou caso raro, sonhador
Track Name: Escolha
Olhas-me com ar combativo
Temes o homem do distintivo
De farda negra, a que censuro
Olhos vermelhos, sem futuro

E ele deu-me a escolher
Qual dos dois havia de morrer
Não sabia o que fazer
Por qual dos dois sofrer

Foi o medo que me atormentou
O segredo nunca se calou
Foi o tempo que pesou
Foi… aquilo que sou

Afogas esses teus ideais
Nas lágrimas soltas pelos areais
Frio e sagaz, de revólver em punho
Rapidamente gritei o testemunho

E ele deu-me a escolher
Qual dos dois havia de morrer
Não sabia o que dizer
Por qual dos dois sofrer

Foi o medo que me atormentou
O segredo nunca se calou
Foi o tempo que pesou
Foi… aquilo que sou

O instinto disse-me que sim
Tive de me escolher a mim
Track Name: Fantasma
Suado e inesperado
Pecado… o gatilho foi pressionado
Esse foi o passo largo
Amargo… desse teu encargo

O espaço não está desocupado
O fantasma está acomodado

Mexe no céu… até que ele se desfaça
Grita por fim… até que te satisfaça

Em doce tom de arrasto
Foi o cadastro… desse rosto nefasto
A ausência de apatia
Que arrepia… a minha alquimia

Assim foi desde então
Uma cruz na tua mão

Mexe no céu… até que ele se desfaça
Grita por fim… até que te satisfaça

E assim se atirou ao mar
A inocência por acabar
Que trazia ao peito

Sem grito nem dor
O diabo estava ao dispor
Era de seu proveito

Mexe no céu… até que ele se desfaça
Grita por fim… até que te satisfaça

Vem para o céu
Sai dessa ameaça
Track Name: A Viagem de Volta
E assim terminou
A experiência que sou
Tudo o que existia
Não aguentou

O universo é o guia
Não sei para onde vou
Para minha arrelia
Nada restou

Não desperto
Deste momento
Qual pensamento
Pode marcar, pode estar
Pode ser e fazer
Para crer num poder
Que me possa acordar

Assim vagueio
Pelos escombros do nada
Sem forma física
Sem matéria pesada

O vazio sorriu
Abriu uma exceção
De braços abertos
Permitiu a expansão

Querias que tudo acabasse contigo
Esses sussurros não são castigo
Num sítio onde não há mais ninguém
Parece que vives nos sonhos de alguém
Agora é tempo de despertar
De acordar, de chorar, de agarrar, de andar